31 de agosto de 2009

Conclusões sem fins emocionais;

Talvez o problema esteja em mim.

Talvez no meu gênio ruim, que tende a não se importar com o que você sente

E afins.


Talvez seja você o meu problema,

Você me incentiva a reunir todo o amor do planeta

E colocar dentro de uma garrafa de qualquer bebida alcoólica.


Misturar ambos, para ficarmos bêbados

Assim você tem a coragem de olhar na minha cara,

Com o amendoado dos seus olhos perdidos em malícia


Eu sou capaz de dizer que não queria,

Que você acabasse em meus braços.

Mas a verdade é que sem você, já não sei se viveria.


Talvez o problema esteja em mim,

No amendoado dos meus olhos

Que não consegue revelar ao mundo

Que se perde quando encontra você.

A passos largos;

[...] Por mais superficial que aquele momento parecesse, aquilo era algo que sentia tal necessidade que as palavras escritas aqui nunca poderiam descrever. E pode parecer egoísmo da minha parte, querer alguém só para mim, mas é algo que apesar de me machucar em alguns momentos, me fazia muito bem; me fazia bem de diversas formas. Nunca em minha vida me senti tão segura, por estar com alguém caminhando a passos largos pelas ruas escuras, eu não poderia escolher companhia pior para todos os meus instintos individualistas; mas o meu coração clamava por aquele momento desesperadamente. Àquilo era algo simples, normal para qualquer outra pessoa, mas para mim era um momento que nunca voltaria, que nunca abriria mão [...]

29 de agosto de 2009

Deixa acontecer;

Há um tempo, eu tinha a mania de planejar toda a minha vida e tentar seguir tudo o que planejava a risca. Queria estudar jornalismo, ficar solteira até os trinta anos e depois quem sabe casar com um cara com bom nível social e ter três filhos. Enquanto eu sistematizava a minha tragetória, sequer percebia que estava perdendo parte dela. Enquanto eu buscava seguir tudo o que programava, apareceu alguém que fez tudo o que construí cair por terra. Ele não estava nos meus planos, mas quem disse que ele se importava? Talvez ele não saiba, mas desencadeou uma série de mudanças repentinas e contínuas, que não paravam de me atormentar. Mas o que mais me frustrava era o fato de que eu não tinha controle sobre mim mesma. Me esforcei para evitar estragos maiores, mas tudo parecia em vão. Demorei tanto tempo para perceber que não adianta tentar fazer tudo do meu jeito, e hoje me arrependo de ter perdido parte da minha juventude com tudo isso. Cansei de fazer planos, e agora entendo o que as pessoas queriam dizer quando diziam deixa acontecer.

Bom, a paixão por jornalismo ainda mora em mim, mas não sei se vai adiantar muito eu tentar planejar minha vida afetiva. Afinal, como a minha vida vai ter alguma graça se estiver toda programada?

28 de agosto de 2009

Já não quis?...

Você já não quis – pelo menos uma vez – ser outra pessoa? Poder presenciar outra rotina, outros problemas, pelo menos para perceber que a cruz que você carrega não é lá tão pesada? Não quis agradecer a Deus por ter tudo que deseja, enquanto outros não podem? Já não quis parar de pedir?

16 de agosto de 2009

Entre quatro paredes;

E hoje, exatas 12:50 da noite eu estou aqui, cansada e enfadada. Mas não cansada fisicamente, na verdade não sei ao certo como explicar como me sinto. Estou com o choro entalado na garganta desde o dia que te conheci, e muitos receios. Talvez, pelo fato desse ser o meu primeiro amor. Enfim, não consigo explicar, pois machucados causados pelo amor são complicados de entender, ainda mais quando seu nome está envolvido.

Não consigo chorar, não consigo pensar, não consigo falar de outra coisa que não seja sobre você, e pode parecer até ingênuo da minha parte, mas eu acho que te amo. Te amo mesmo com todos esses defeitinhos que transformam você numa pessoa unicamente especial, e te amo principalmente pela delicadeza de como fala. Mas odeio te amar, pois simplesmente não consigo me doar por inteira para ti. Acho que tenho medo de você, do que você pode fazer, não sei se suas intenções são boas ou más. Sinto que não te conheço. Seus olhos amendoados não revelam a sua personalidade, muito menos suas verdades, coisa que desejo muito saber.

Talvez as lágrimas que caem sobre esse teclado agora, não te sensibilizem. De fato, creio que sequer vá ler isto, o que me deixa muito frustrada. Nunca me julguei muito corajosa, mas minha covardia chegou a tal ponto, que acabei por te perder. Ou será que você nunca foi meu realmente? Essas dúvidas me atormentam duramente a noite, não me deixam dormir. A ideia de que podia dar certo, me assombra, fazendo as lágrimas invadirem os meus olhos. Mas a incerteza de que você só me ama quando está bêbado me deixa ainda mais triste. Por isso fujo e me escondo, porque não tenho certeza de absolutamente nada, e fico aqui, torcendo para que um dia você perceba que eu não sou diversão de uma noite só. Creio, que você me vê como uma qualquer, só mais uma das suas diversões, mas eu não consigo te enxergar assim, mesmo parecendo que não ligo para nós dois.

Odeio essa parte, sinceramente. Estou agora tentando chorar todas as minhas tristezas, para enfim, terminar esse capítulo da minha vida e poder virar a página. Mas sempre tenho a nítida impressão de que ainda não acabou, mas tudo porque eu não queria que acabasse assim, de modo tão frio. Mas hoje não, hoje senti que todas as esperanças vivas em mim, morreram. E eu fico procurando diversas explicações, que me deixam ainda mais deprimida. Sei que estou indo pelo caminho errado, mas você sequer me explicou qual era o caminho certo.


W.K.

12 de agosto de 2009

Tudo, Tudo, Tudo;

Dias atrás encontrei uma música na internet que me fez viajar ao passado. O nome da música era tudo, tudo, tudo das Chiquititas. A maioria das crianças que brincavam comigo assistiam a tal novela, mas enfim. Essa era uma das minhas músicas preferidas, pois tinha um ritmo muito alegre, porém, nunca parei para escutar a letra atentamente. Fiz isso semanas atrás, e acabei por concluir que todos nós deveríamos pensar como crianças. É verdade, como meras crianças, pois percebi que nada as aflige. Por que deixar a dor de um relacionamento terminado estragar toda uma semana, que podia ser repleta de sorrisos e alegrias? Precisamos realmente, ficar com raiva porque as coisas não aconteceram como esperávamos? Meu pai sempre me disse que, nunca, ninguém poderia abalar a nossa felicidade, pois ela é a coisa mais importante que temos, é um dos nossos maiores bens, e não podem ser trocados por nada no mundo. Seu estado de espírito tem que ser sempre sereno e alegre, pois as coisas vans só precisam de uma pequena brecha para entrar em nossas vidas. Não deixe que a tristeza e a amargura dominem o seu ser, você é bem mais que um rosto triste.

Não te dói mais nada?

Composta de Tristezas;

Um dia, quando eu era bem pequena, disseram numa conversa entre adultos que, a vida é composta de tristezas, que os momentos felizes eram bem poucos. Cresci com essa filosofia martelando em minha cabeça, eu sinceramente não conseguia entender o que aquele ser humano queria dizer, mas afinal, eu era uma criança, não sabia o que era ser triste. Minha mãe repetia a mesma frase para qualquer pergunta muito crítica que eu fizesse: Quando você crescer, vai entender. Vários assuntos prematuros que tentei abordar e a pobre não conseguia me explicar, porque para mim era um tanto complexo, acabei por entender depois de grande. Mas aquele determinado assunto, que marcou a minha infância de uma maneira que nunca consegui esquecer àquela frase, aquela filosofia tão seca, ela eu nunca consegui entender, mesmo passando por dificuldades ou não tendo dinheiro pra comprar algo desejado. Mesmo quando eu abro a geladeira, e não encontro algo para comer.

A liberdade que me consome;

Minha atual vontade é de correr até a Califórnia e sentir a água marinha banhar meus pés, cantar e procurar inspiração até mesmo debaixo dos pequenos grãos de areia que são trazidos pelo mar azul. Quero respirar fundo, gritar bem alto e chorar sem medo de olhares curiosos. Quero sentir a chuva molhar o meu rosto novamente, e sentir o manto da paz me ninar.

Quero ser livre, para amar quem eu quiser, mas sem acabar presa na gaiola do relacionamento; eu não gosto de regras. Eu preciso mais do que nunca, amar. Beijar até morrer de amor; mas também preciso da minha liberdade, preciso poder abrir os braços para quem eu quiser, preciso ter meus amigos.

Eu preciso de alguém, que goste tanto da liberdade quanto eu.