10 de setembro de 2009

Espreitando;

Não ouve aviso. Nem modo de prever. Sequer um motivo aparente. Ela saltou do carro. Simplesmente. Lembro-me bem de ter visto ele entrar em pânico e gritar “estou fodido, estou fodido” antes dela pular. Ele falava ao telefone, e ela observava o movimento na rua, e simplesmente saltou. Sabe, ele não fez nada, a princípio, parecia não acreditar no que havia acontecido. Depois saiu do carro para socorrê-la, mas não havia mais saída. Lembro-me bem de que não havia motivo algum para acontecer tal tragédia, mas ela era do tipo que sofria calada. Talvez houvesse um motivo oculto, mas não encontro nenhum motivo especial pra uma pessoa se matar tão repentinamente.

Lurking - Prólogo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário