9 de outubro de 2009

Cabo das Tormentas;

Sabe, ela era louca, a Letízia.

Ela vivia andando de bicicleta com aquele violão nas costas. Saía de manhã e voltava só de tardezinha, e ninguém sequer suspeitava o que ela fazia. Na verdade ninguém sabia o que ela fazia, e então especulavam. Quantas vezes você escutou a mãe da sua amiga dizer “eu não quero você com aquelazinha!” Na verdade, você nunca deve ter ouvido, porque elas nunca dizem isso quando você está presente, mas já deve ter percebido um olhar estranho ou uma torcida de nariz. Bom, Letízia passa por essa situação sempre; por isso quase não tem amigas.

Acontece que Letízia é muito solta e gosta de passar a maior parte do tempo fora, por isso some logo de manhã e só volta de tarde. Eu nunca achei que aquela garota tão pequena fizesse algum mal para alguém enquanto estava fora; talvez ela tenha problemas em casa, problemas dentro dela mesma. Ela parece ser aquele tipo de pessoa que dá mais razão aos sentimentos que carrega, e depois que acontece qualquer desilusão, sofre. Mas nunca a achei muito frágil, só em alguns momentos. Letízia já se mostrava forte o suficiente para mim, ao tocar aquele violão velho e ter o dom de espantar todos os sentimentos ruins. É, acho que a parada da Letízia é mais para o meio, é dentro do coração.


Coração Leviano - Prefácio.

15 comentários:

  1. As mães realmente se jugam donas da razão e pode ter certeza que elas até que são. São uma espécie de bruxas em pele de mãe.

    Mas eu amo a minha, hein! O jeito é levar a vida na zueira mesmo.

    vlw

    ResponderExcluir
  2. Cada um espairece as coisas de uma maneira diferente...
    a minha é ouvir músicas no MP3 e ficar dançando pela casa!
    aishaishaihsiahsaisa

    Vai saber...
    =)

    Beijossss

    ResponderExcluir
  3. Letízia é uma "pessoa da alma".
    A autora também deve ser.

    ResponderExcluir
  4. As vezes dá contade de colocar o violão nas costas e sumir mesmo. abraço

    http://sobfoco.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. hahaha
    quanto coração, letízia ^^
    Belo template.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. às vezes o que o mundo tá precisando é de mais Letízias por aí. Nem sempre os que as pessoas acreditam que as outras fazem sejam verdade. Temos que parar de julgar as pessoas, assim nenhuma Letízia se sentiria tão sozinha.

    ResponderExcluir
  8. ôÔ Letízia...

    Já gostei de cara ;)

    http://sinaldoluna.blogspot.com/2009/10/1-ano.html

    ResponderExcluir
  9. a maioria das mães acham que tem o direito de escolherem com quem andamos, sorte que a minha não é assim. letizia não é estranha nem fragil, só curte a vida do seu proprio jeito

    ResponderExcluir
  10. Ai que texto lindo.
    Adorei.
    Fico até sem saber se é real ou meramente ilustrativo.
    Sabe que cheguei a me reconhecer na Letizia? Não pelo fato de não ter amigos, mas pelo fato de a minha parada e a dela serem no mesmo lugar: coração.

    Belo texto. Belo layout.

    ResponderExcluir
  11. todos os sentimentos ruins não resistem a uma melodia de uma bela música

    ResponderExcluir
  12. O violão era sua arma contra um mundo cruel.Uma Joan Baez contemporanea.Gostei!

    ResponderExcluir
  13. Querida amiga avassaladora...
    É do humano criar uma historia um mito , uma çenda que complete qualquer situação em branco... Não aceitar não saber é tipico.
    Dai imaginar coisa terriveis sobre a menina de biciclets e violão que ousava o silencio.
    Mas me diga, é perfacio de um livro seu?

    ResponderExcluir