3 de outubro de 2009

Pronome Possesivo;

Arranco-lhe todos os dentes da boca, arranco um por um até que fique tão vazia a ponto de ninguém mais querer beijá-la. Arranho toda a sua pele, para que minhas marcas fiquem presas em você toda a vida. Capaz sou de quebrar tuas pernas, para que nunca saia de meus domínios.

Também seria capaz de me submeter ao seu doentio amor entre entranhas, toda noite sentir você em mim, suspiros e mordidas, beijos e cigarros a parte. Escutar suas ideias e conceitos, fabricados por sua mente doentia, sem saber que sequer sou capaz de perceber que a única mente doentia que há entre nós, é a que carrego comigo.

Um comentário: