29 de janeiro de 2010

Simples assim;

A sociedade em que vivemos é totalmente inclinada à perfeição. Perfeição estética, perfeição profissional... Buscamos nos aperfeiçoar em absolutamente tudo, às vezes deixando essa busca interminável virar uma triste obsessão. Estamos tão voltados para nossa própria obsessão que acabamos passando por cima de tudo, inclusive dos sentimentos alheios. Isso machuca. A sociedade em que vivemos discrimina qualquer coisa que fuja dos padrões que julgamos “perfeitos”. Nossa sociedade cultua a magreza, pele clara, cabelo escorrido e sorrisos perfeitos, como as líderes de torcida dos filmes americanos. Mas que graça tem uma loira de seios grandes que pula loucamente cantando músicas combinadas para seu time de coração, que passa o dia checando a maquiagem e fofocando no celular, que estoura o cartão de crédito do pai comprando porcarias inimagináveis? Que história de vida essa garota tem?

Geralmente, personagens principais de livros – ou filmes – para adolescentes são garotas tímidas, que não sabem dançar, e que estão pouco ligando para o seu cabelo mal penteado. Aquelas que julgamos sem-graça, ou rebeldes. É ou não é verdade? Me diz, o que Isabella Swan tinha de tão importante para um vampiro como o Edward se interessar tanto por ela? E as garotas sérias e comportadas dos filmes de terror, porque só elas sobrevivem no fim? Quem pensaria que uma garota perfeitamente normal como Miley Stewart daria vida à Hannah Montana? Quem diria que uma garota com a vida tão sem graça como a da Juno passaria por ma reviravolta tão gigantesca? Nenhuma dessas citadas aqui tem uma finalidade para a sociedade, sequer são lembradas. São o tipo de garota que você vê nas suas fotos e se pergunta: quem era ela mesmo? Porque elas simplesmente não têm a mínima importância, mas são elas que na maioria das vezes alcançam com muito sucesso seus objetivos, são elas que acabam cantando e dançando em clipes, atuando em séries de sucesso. Sabe por quê? Porque elas estavam sonhando, estavam batalhando, e ninguém estava vendo.

8 comentários:

  1. Muito boa a interpretação do texto.

    Seguindo seu Blog!
    Abraço e sucesso!

    http://yaseryusuf.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Nossa, é muito interessante o modo que você vê as coisas e consegue repassar. Muito legal o blo, parabéns.

    Se puder...
    http://curiosoemacao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. As pessoas ficam obsecadas pela busca da perfeiçãoe equecem delas mesmos.

    ResponderExcluir
  4. Perfeição não existe pois todos nós temos defeitos.

    ResponderExcluir
  5. MEU POST DE HOJE FALA JUSTAMENTE DELA, E DO FILME RS PASSA LÁ!te vi na comu eu tenho um blog!

    ResponderExcluir
  6. Neste caso, a sociedade se resume a uma palavra: Hipócrita!
    Quantas loirinhas, de olhos azuis, magrinhas com sorriso farto você por dia no cotidiano? Nenhuma, uma ou duas, num universo de milhares.
    Por que em determinadas situações sentimos atração pelo diferente ou o que a sociedade julga perfeito e em outros casos temos horror ao diferente, como o mendigo, o pobre, o aleijado, o emo, o gay, a prostituta!

    Talvez a perfeição humana esteja inversamente proporcional a imperfeição do espírito e do interior!

    Muito bom seu blog!

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo blog. Vc tem muito talento pra escrecer, e parece ser interessante.
    Vc tem razão, quem acaba se destacando no final são (como diz o texto) as ''garotas sem graça'' que enquanto ninguém tava vendo, elas tavam batalhando pelos seus objetivos; enquanto (como diz o texto) as ''garotas tipo líder de torcida'' permanecem sempre na mesma

    ResponderExcluir