16 de agosto de 2010

Maria Marmelada;

Quem sou?

Um punhado de ilusão solta na chuva

Poeira arrastando-se pelo chão

Sou amor

Sou sensualidade

Sou sentimentos de mulher

Em coração de menina

Não sou sereia

Mas tenho parte com o mar

Sou a visão perfeita do eclipse

Sou pés descalços sobre a terra seca

Que há muito não sente a pureza d’água

Sou pura simplicidade

Daquelas que se alegram com uma só rosa

Sou só coração

E sensações à flor da pele

Sou o preto gato

Que passeia pelo seu telhado

Na calada da noite.

Sou incomum, e não há razão

Que abale meu coração

Sou vermelho paixão

E é preciso muito amor, haja amor

Para ir a Roma

Através da minha boca.


Eu sou o que Deus quiser.

3 de agosto de 2010

Vivendo meus bons momentos até um pra vida toda
Trabalhando e sabendo que amor não é coisa pouca
Há quem diz que é lenda e diz que vive bem sem ele
E se tá apenas duvidando porque isso nunca teve
Nenhuma sensação, carrega uma pedra no coração
Quem não ama ao menos uma vez se fudeu pois viveu em
vão.