18 de janeiro de 2014

(...)

O mais engraçado é que continuo com esse pensamento infantil de que amor é dar as mãos e seguir em frente, é ser amigos no inicio e fim. Acredito na pureza do sentimento que ele pode nos provocar sensações maravilhosas, a ponto de nos sentirmos deslocados com relação ao mundo cinza que gira ao lado. É como um pingo de cor no meio do preto e branco.