13 de agosto de 2014

Not That Kinda Girl;


Eu sempre soube de quem se tratava.
Porém, a insegurança da juventude consegue camuflar um pouco de nós, porque nessa idade sempre queremos nos encaixar em algum grupo.
Foi isso o que aconteceu.
Mas também ocorreu um momento de explosão, uma vontade insuportável de se assumir tomou conta de todo o pensamento obrigando a depositar toda aquela frustração em algum lugar.
Então escrevia.
No começo, em um caderno velho de escola, depois em mesas, paredes... As palavras estavam estampadas em altos muros espalhados por essa cidade de pedra e cimento.
Ninguém sabia de quem se tratava, nem mesmo ela.
Mas gostava do que via, a mudança que acontecia.
Não foi vista com bons olhos por pessoas que deixaram a sua vida, entre elas, muitas se julgavam essenciais, sem ao menos saber, que o essencial seria não ser mentiroso com si mesmo.

2 comentários:

  1. Adoro escrever também, não escrevo mais por preguiça mesmo hehee
    Gostei do seu texto, bem original sabe, me fez ler até o final e não me decepcionei.
    Você escreve honestamente, dá para perceber. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Adorei, mesmo. Me sinto um pouco assim, me identifiquei. Muito bom.

    ResponderExcluir