4 de setembro de 2015

O dia que o amor se foi;


Ah, o amor!
É lindo quando nossa alma se enche de tamanha alegria, a ponto de transformar a rotina mais desagradável em algo prazeroso. Essa expectativa em encontrar a pessoa amada, e as borboletas no estômago quando a avista do outro lado da rua sorrindo para você, enquanto se aproxima. O cheiro gostoso de sua pele invadindo seu ser em um abraço apertado... E aquele amor que não cabe mais em um, e vocês se vêm esfregando-se em paredes e sofás que são a testemunhas mudas do que ocorre. Até mesmo a pior briga torna-se calorosa quando os lábios estão muito próximos.
Mas o que fazer quando a vela da paixão está somente meio acessa, correndo o risco de uma pequena brisa vir e apagar a pouca chama que restou? E quando os beijos são gelados e o toque das mãos sem vontade?
Como lidar com isso?

Nenhum comentário:

Postar um comentário